top of page

QUEM FAZ

427501315_822627493049134_2469162810896293379_n.jpg

QUEM É BIANCA KACHANI

Oi! Meu nome é Bianca e eu sou uma feminista exausta.

Aqui vão alguns fatos para você me conhecer um pouco melhor: tenho 27 anos, sou virginiana, com ascendente em sagitário, lua em escorpião e vênus em leão. 

Também sou jornalista formada pela ESPM-SP (Escola Superior de Propaganda e Marketing), com técnico em Gastronomia, pela Accademia Gastronomica, e no momento estou cursando teatro, no Macunaíma.

Em 2019 publiquei meu primeiro livro: "Egressas: histórias de mulheres depois das grades", um livro-reportagem que conta a história de cinco mulheres que passaram pelo sistema prisional em São Paulo e que hoje vivem o grande desafio da ressocialização. 

Atualmente, trabalho na Agência Síbaris, uma agência de comunicação e consultoria gastronômica. 

Mas afinal, o que é uma feminista exausta?

 

A feminista exausta é uma mulher comum, de 20 e poucos anos, tentando entender quem é. Real, cheia de clichês, vulnerabilidades, fantasias, anseios, aspirações, feridas e fraquezas, é uma mulher que também erra, que falha.

Começando a vida adulta, ela trabalha demais, luta para conseguir pagar todos os boletos no final do mês, é questionadora, e transita pelo paradoxo que é querer mudar o mundo e ficar jogada no sofá, vendo Netflix com um pacote de Doritos no colo.

A feminista exausta, porém, não é acomodada. Ela é inconformada, indignada, enfervecida, efusiva. Ela tem os sentimentos à flor da pele. É a mulher que se sente sobrecarregada e que vive a frustração de relacionamentos que não dão certo. É cheia de ideias na cabeça, ansiedades, ávida por se expressar. Ela sabe exatamente o que quer ao mesmo tempo que é assombrada por medos, inseguranças e incertezas.

A feminista exausta é, na verdade, muitas coisas.

 

A feminista exausta sou eu. São vocês. É toda essa nossa geração de mulheres.

 

Te convido a navegar, aqui, por todas as suas nuances e impermanências.

#FOLLOW @BIKACHANI

what a relief
to discover that
the aches i thought 
were mine alone
are also felt by
so many others 


– rupi kaur.

bottom of page